Conteúdo da Notícia

Nota de Pesar

A Corregedoria-Geral da Justiça do Estado do Ceará externa, com profundo pesar, o falecimento da desembargadora Águeda Passos Rodrigues Martins, que exerceu a função de corregedora-geral, ocorrido na tarde dessa quarta-feira (10), na cidade de Fortaleza.

Águeda Passos se destacou pela força, fibra, seriedade, disposição, coragem e amor pela magistratura. Colaborou, orientou e apoiou os juízes para que prestassem um relevante serviço para a sociedade cearense. Pelo espírito administrativo e inovador, instalou o Fórum Clóvis Beviláqua e criou novos paradigmas para infância e juventude com o projeto “Justiça Já”. Teve a ideia de fazer funcionar a Vara Privativa de Combate aos Crimes Praticados contra Crianças e Adolescentes, além da Vara de Execução de Penas Alternativas.

Como presidente do Tribunal de Justiça do Ceará construiu fóruns e casas para juízes no Interior do Estado. Também inaugurou o Tribunal do Povo e a Corregedoria-Geral da Justiça. Com o seu pensamento voltado para a dignidade da magistratura, implementou o regime de subsídios, o suprimento de fundos e a rota de entrega de materiais de expediente. Retirou das prefeituras todos os funcionários à disposição e assumiu todas as despesas do Fórum, como energia, telefone, entre outras. Implementou em todas as comarcas computadores e rede de internet, fundamentais para a comunicação judicial. Construiu ainda o Memorial, a Sala de Convivência, a capela Nossa Senhora de Fátima, o gabinete da Presidência do Tribunal e o restaurante dos magistrados.

Na Corregedoria-Geral da Justiça também mudou paradigmas com o apoio efetivo aos juízes, visitas às comarcas e com combate implacável aos desvios de conduta e corrupção. A magistrada sempre será referência para o Poder Judiciário do Estado do Ceará.

Deixamos nossas mais sinceras condolências à família e amigos por esta inestimável perda, na certeza de que Águeda Passos jamais será por nós esquecida.

PERFIL

Natural de Viçosa do Ceará, nasceu em 21 de julho de 1933. Ingressou na magistratura em 24 de abril de 1961, como juíza na Comarca de Várzea Alegre. Também foi titular nas Comarcas de Barbalha e Juazeiro do Norte e respondeu, ainda, pelas Comarcas de Missão Velha, Assaré, Potengi, Caririaçu, Crato, Santana do Cariri e Araripe. Foi nomeada desembargadora pelo critério de antiguidade em fevereiro de 1986, como a segunda mulher a integrar o Tribunal de Justiça do Ceará. Exerceu as funções de corregedora eleitoral no ano de 1989 e de presidente do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-CE) em 1990. Em 3 de fevereiro de 1997, assumiu a cadeira de vice-presidente do TJCE e diretoria do Fórum Clóvis Beviláqua. Foi presidente do Tribunal de Justiça no biênio 1999-2001 e, em 1º de fevereiro de 2001, assumiu o cargo de corregedora-geral da Justiça. Ela se aposentou em 26 de março de 2004.