Conteúdo da Notícia

Cartórios registram 662 reconhecimentos voluntários de paternidade em Fortaleza

 No primeiro semestre de 2015, os dez cartórios de registro civil de Fortaleza contabilizaram 662 reconhecimentos voluntários de paternidade. O ato foi disciplinado pela Corregedoria da Justiça do Ceará em dezembro de 2013, através do Provimento nº 15.

“Ter o nome do pai na certidão de nascimento é um direito básico de todo cidadão. Se esse nome vier de maneira voluntária irá expressar a livre vontade do pai de reconhecer o filho”, declara o corregedor-geral da Justiça, desembargador Francisco Lincoln Araújo e Silva.

Aos 29 anos, V.R.N. conhece bem esse sentimento. Recebeu a notícia de que seria pai logo após o carnaval de 2009. “Quando soube que a mulher que eu ficava, que nem era minha namorada, estava grávida, entrei em desespero. Não estava preparado para ser pai”, recorda.

A criança nasceu e, depois de um ano, os avós tomaram a iniciativa de fazerem o exame de DNA. O resultado foi compatível. “A partir daí, me dei conta de aquela criança era mesmo minha. Mas ainda resisti por um tempo. Depois, pensei e vi que, se continuasse resistindo, meu filho iria se tornar mais um número na estatística de milhares de crianças sem o sobrenome do pai na certidão. Fui até o cartório em que meu filho foi registrado e, com a certidão de nascimento dele, reconheci a paternidade”, explica.

Hoje, V.R.N. vê o filho de quatro anos a cada 15 dias e fala diariamente com a criança pelo telefone. “Quando ele vem me visitar, a gente brinca, conversa, conto historinhas e faço ele sorrir. É muito gratificante ser chamado de pai. Me sinto pleno”, afirmou.

A mãe da criança, Duda Borges, de 35 anos, diz estar feliz com o reconhecimento. “Era tudo o que queria. Meu filho é o presente que Deus me deu. Me machucava ver que ele não tinha o sobrenome do pai no registro de nascimento. Hoje, agradeço a Deus por tudo ter acontecido de forma espontânea e saber que meu filho carrega não só meu sobrenome, mas o do pai dele também”.

 

COMO FAZER

O reconhecimento espontâneo de paternidade é simples. Basta o pai apresentar documento de identificação com foto e certidão de nascimento do filho, em original ou cópia, no cartório em que ele está registrado.

O pai também pode entregar uma declaração particular, com o reconhecimento espontâneo de paternidade escrito em qualquer papel ou preencher um formulário (modelo de termo escrito) que é disponibilizado pelo próprio cartório. Caso a pessoa a ser reconhecida seja menor, é necessária a autorização da mãe. No entanto, se for maior de idade, o reconhecimento dependerá da assinatura do filho.

O reconhecimento voluntário de paternidade ainda pode ser feito por testamento, de acordo com o art. 1610 do Código Civil. O testador pode estipular o reconhecimento de determinada pessoa como seu filho através de ato de última vontade. Mesmo que o testamento seja declarado nulo, a estipulação do reconhecimento não perde a validade.

Ainda de acordo com o Código Civil, o ato de reconhecer um filho é irrevogável, ou seja, uma vez feito o procedimento de reconhecimento (tanto judicial, quanto administrativo) não há como voltar atrás.